Traduzir o Blog de Lucia Barros

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

O sol se faz poesia.






Poema: Lucia Barros Barros
poetaluciabarros@gmail.com
Foto: Fabio Werneck e Raquell Barros.
Campo de Girassol em Holambra.
(Todos os direitos reservados.)



Quem ama.


Semear:


Vivificam na nossa memória.


A simplicidade dos ares na vida:


Transformando a vida.


terça-feira, 20 de novembro de 2018

Vencer no caminhar dá vida.

Poema Lucia Barros.
Vencer no caminhar dá vida.
(poetaluciabarros@gmail.com).



Vencer no caminhar dá vida.
2018.

PH: Maria Lucia de Barros.

Ah! o retrato dos tempos passados
Diante as lembranças, sofridas.
Mas agora a liberdade é perfeita e agradável
E instala-se sobre a humanidade com alegria
Aonde as conquistas superabundam as vitórias
Um mundo novo, uma nova vida.

Os sonhos não ficaram em só sonhos
E as visões, com realidade, manifestam nos espaços
Nas famílias nos gestos e sorrisos
Que na transformação os olhos fixam- se
As belezas das faces que irradiam.

domingo, 18 de novembro de 2018

Pois é própria essência:


Pois é própria essência:

Não pare os teus passos
Porque quiseram impossibilitar
O otimismo da sua consciência 

Pois é a própria essência:
Que perfuma a sua vida.

Lucia Barros Barros:Lucia Barros
poetaluciabarros@gmail.com

Deixa cantar a tua alma.




Deixa cantar a tua alma
Deixa cantar a tua alma
Cantar a canção de amor
Porque tu não é sozinha (o)
O espírito que te preenche
É que conduz a sua e minha vida.
Lucia Barros.
poetaluciabarros@gmail.com

A porta do coração.





A porta do coração.
2018.
PH: Maria Lucia de Barros.

Por mais que os momentos na vida, não tenham lhe proporcionado, somente alegrias ao lado de alguém.
Jamais desprezes em nem desfaça de ninguém.

Chove carinho, chove amor.




Chove carinho, chove amor.

AH! O vento do final da tarde
Soa nos ouvidos como falando...
Com o ar sereno e frio na face
Mas bom para acalmar...
A alma, alma.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Porque ambos, saberão:



Porque ambos, saberão:

Porque ambos, saberão:

Na vida a dois, tudo só dá certo quando ainda existe amor, compreensão e companheirismo.
Quando se dividem: carinho, atenção, diálogo e a vida.
Não há fofocas que possam separar um casal quando querem seguir juntos, porque falhas todos possuímos as nossas, ainda mais vivendo lado a lado, entre qualidades e defeitos, vistos olhos a olhos e todos os dias.
Tudo só se acaba em um relacionamento a dois, quando já não há mais prioridade, amor e paixão, até porque o amor se existir se expande e a paixão esquenta a relação.
Mas quando um não quer os dois não briguem, que não seja por força e nem violência. Porque ficará ainda pior e quando dois não querem simplesmente se afastem para poder obter a paz e união, mesmo não se mantendo juntos, será melhor para ambas as partes.
Ninguém separa o amor de ninguém por palavras e nem discórdias, o que é para ser, será e se houver confiança, houver permanência absoluta de pensamentos conjuntos, mantendo-se firmes em um único propósito de viver a vida a dois, haverá a firme convivência. Mas quando não, entre separar ou permanecer com o casamento é escolha única do casal.
Porque ambos, saberão: os trajetos que são bons para os seus caminhos.
Lucia Barros.
poetaluciabarros@gmail.com
(Todos os direitos reservados.).


sábado, 27 de outubro de 2018

A lei do retorno.



A lei do retorno.

PH: Maria Lucia de Barros Gomes.

Novembro de 2018.

Há na vida vários sentidos dos sentimentos humanos, sejam sentimentos: frágeis, fortes, otimistas ou pessimistas. O que realmente existe nas vidas que colhem do dia a dia as suas esmeras, as suas felicidades, suas dores em lamurias, quando sim a vitória para sorrir nos lábios frios ou quentes que na face demonstram também a união e a paz.
Uns transferem para a alma, gosto, outros destilam fel, uns ligam-se com as coisas dá alma nua, outros dão esquecimento somente querendo obter sem notar o que ela pode absorver, deixando-a passar como uma simples fumaça que se vai ao alto, sumindo.
Pois somos carne, mas também alma e espirito que se contraem no mesmo envolto vivenciando para colher o que plantarmos, seja bom ou mal. Na terra tudo passa tão rapidamente que quando acordamos percebemos que é somente mais um dia amanhecendo para a alma expor tudo aquilo que se produz dos sentimentos mais profundo de nós seres.
Olhando nos olhos uns dos outros, falando, sorrindo e se abraçando com carinho e satisfazendo os nossos desejos mais cheios de querer, achando tudo certo, ou talvez até errado. Mas vamos caminhando em busca de algo, o algo que nos possa fazer prósperos em tudo. Assim aonde tudo pode acontecer em apenas minutos ou que nos levam a viver horas de espera para as conquistas e se refaz a vida, nas realizações que queremos vê-las em perfeição.
Uns se escondem pelos status, outros se escondem para não mostrar de si o que realmente são, por vergonha e muitos não param para pensar que as misérias humanas, não está na pobreza e nem deixa de existir na riqueza. Devido que a maior miséria humana está em seu interior, que por muitos vão deixando transferir-se exteriormente e impensadamente em distração.
São estes os casos mais absurdos dos arrependimentos e as vezes tardios. Porque sorte daquele ser que pode enxergar a própria miséria que está dentro de si e assim podendo acordar do sono que se fez em pesadelo, que transferiu a outrem a infelicidade da exposição da sua miserável atitude produzida.
A alma só destila e transfere o que tem para dar dos sentimentos em movimento com o celebro e não poderemos jamais dizer sempre sim, mesmo que a palavra seja sim, sim, não, não a todos os sentimentos e a todos os desejos. Nem tudo é certo, nem tudo é errado, mas tudo possui a sua consequência que produzirá em nós:  A lei do retorno.
Lucia Barros.

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Italianos.




Italianos.
italianos.

Há! Tua Calábria meu avô
Assim te lembro.
Porque a minha memória
 Então muito guarda:
 Os teus abraços fortes
Os teus carinhos
E palavras soltas
De muito amor.

Há! Tua Itália bela, minha avó
E teus beijos doces e estalados!
Mas foi aqui e peregrinando
 Que obteve; sonhos realizados.
Que diante a menina dos teus olhos
 Enxergavam como o grande mar 
Que de tão lindos
 Eram e brilhavam de azuis.

Depois de tanto andares
Na vinda na terra Brasileira
Viajando os trens
 Com seus baús e enxovais.
Procurando as guaridas
Por  matas e pelas estradas
Nos trabalhos nas várias fazendas
E com seus filhos
Trabalharam nos cafezais.

Avós imigrantes.
Avós, maternos, amores
De família numerosa e abençoada
Dos braços abrasantes.

Avós das vozes rápidas
Dos sangues nas veias;
 Os guerreiros e vencedores.
Os belos e eternos
Que fecundou em amor
Livre amor:
Italianos.

Lucia Barros.
poetaluciabarros@gmail.com






quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Cor dá aura límpida.


Cor dá aura límpida.

A cor dá aura límpida.

A cor do coração
É dá cor dá vida.
E se a vida colore
Colore a alma...
Colore o espirito.
E centraliza a emoção, concretiza
 Fazendo-se permanente
 Eternamente em cor...
Cor dá aura límpida.

Lucia Barros.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

O verdadeiro amor.



O verdadeiro amor.

O verdadeiro amor, é o que bate em sentimento, único
Profundo e dentro do peito, cutucando o coração
Sem hora, sem tempo escolhido e a todo momento.
É a alma livre, como a ave, procurando a guarida no ninho
Vendo o momento de poder chegar:
Desejando o abraço e carinho por inteiro.

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Gratidão tomando lugar.

Gratidão tomando lugar.

Como é bom o caminhar, em cores: azul, amarelo, branco, lilás, rosa, rosa carinho, vermelho da paixão e o caminhar na cor dá vida, aquela que alegremente, vem nos proporcionar, o amor.
Bom é também a resposta perfeita, chegando até aos ouvidos, nos dando tudo... o que mais queríamos mesmo escutar...
Sentindo a certeza brotando, com a confirmação diante o realizar. É como ouvir tocar os sinos nos chamando para aceitar, aceitar o chamado dá luz, que no momento podemos olhar e ver brilhar, adorando vamos cantando, vamos aplaudindo e assim quando na volta, damos sorrisos ao ar.
E como é bom receber: o carinho da alma dá alma, que preenche o nosso ser diante a liberdade boa, que podemos buscar. É o realizar do sonho, a força para o caminhar.
O toque das mãos próprias, o falar amável e gentil que dispomos para com alguém que do lado está, porque ser vida e repartir e abençoar conforme as circunstâncias nos projetar. Seja pelas falas ao dialogar, seja pela caridade seja até pelo orar, a bondade a misericórdia nos faz forte até quando fraquejamos o andar. Porque a força é do espirito a força que nos faz instrumentos e seres peregrinando por onde Deus nos levar.
Estudar os caminhos como é bom e enxergar e aceitar, além do que poderíamos receber, até não nos achando os merecedores. São tantas coisas que também vem nos completar, para simplesmente dizermos de corpo e alma, obrigada.
Como é bom sermos gratos e observar:
Gratidão tomando lugar.
Lucia Barros.
poetaluciabarros@gmail.com
(Todos os direitos reservados.)
Comentários

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Em uma xícara de café quente.


Em uma xícara de café quente.

Agora eu não quero, lua
Eu só quero o tempo...
O verdadeiro, tempo
O ar, as nuvens, girando...
Noite fria, céu cinzento, inteiro e alto céu
Adentrando, cada um dos sentimentos.
Sentir na alma pura
O chuviscar que vem de fora
E olhar dá vidraça dá janela
Sem perder se quer, nenhum
Dos doces, os mais lindos, momentos.
Transmitir, naturalmente, um brilhar
Do fundo dás meninas dos olhos...
Deixando soar o falar dos lábios
E ver as letras já soletradas
Indo em direção...
Ao lindo e meigo, diário ao lado.
Adoçando o paladar...
Em uma xícara de café quente.
Lucia Barros.
poetaluciabarros@gmail.com
(todos os diretos reservados.).
Exceto a imagem do Google.

quinta-feira, 15 de março de 2018

Serenando.




Serenando.

A noite chega, precisamos serenar a alma, purifica-la por nós mesmos.
Pois a vida só é boa, com amor próprio e pelo próximo...
O que seria de cada um de nós, se fossemos seres sozinhos?
Somente, obtemos tudo por esforços, mas com certeza, todos transferimos sempre, um bocado de parceria, vivendo, dividindo, sendo caridosos, companheiros para se viver nesta terra e tanto nos ganhos como nos gastos.... A vida é bela, embeleza-la nos satisfaz e compartilhando nos faz ser as melhores pessoas.

Lucia Barros. 
poetaluciabarros@gmail.com




sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Conjunto de divino amor.

Conjunto de divino amor.

PH: Maria Lucia de Barros Gomes.
02/02/2018

Há mais muito mais que se manter e muito mais do que querer, saber contribuir no bem é válido para qualquer momento da vida, constituir e distribuir é a palavra, mas não as bastam
porque palavras em vão, não tem significado quando não disponibilizadas, devido que a gentileza gera gentileza, mas não as vezes o amor verdadeiro. As consequências são fatos reais e são assim por toda parte do mundo sofrido e necessitado de caridades, ficam à espera do alguém que se preze a tal ato de contribuição, manutenção para se viver melhor em ambientes melhores para se projetar nas suas necessidades, sejam elas qual forem.
Quantas comunidades precisam de ajuda todos os dias, e precisam esperar tocar um coração doador e  que se doe com sabedoria e sem desistência, para não fracassar o outro lado que necessita ainda mais e o toque de uma alma elevada, significa muito nestas horas, porque sofrimento maior é  olhar se desfazer o projeto digno de quem se dispõem a estes trabalhos maravilhosos de fazer crescer uma vida, a cada dia para não perecer nas suas metas, nas suas escolhas ainda que seja difícil a caminhada , mas sem desistência permanece na fé com esperança da vitória.
Ajudar também é adquirir, adquirir alegria, utilidade e também a força para se viver em harmonia para que sempre juntos, as almas vivas, sejam luz, conjunto de divino amor.  
Lucia Barros.
Todos os Direitos Reservados a: Poeta Lucia Barros.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Aromatizando o meu espírito.



Aromatizando o meu espirito.
19/01/2018.

Serenamente, quero adormecer
E no meu, mais belo jardim
Jardim de flores, ao serenar e ao luar.
Quero ouvir a voz da minha áurea
Abraçar-me a minha privacidade
E saborear com toda a leveza
A imensa natureza...
Como o gosto do toque nas águas
Sentir as pedras e ouvir o cantar
Dos diversos pássaros...
Sentindo, a mata em seu silêncio
Somente o sublime do ar
Fazendo-me a presença
Preenchido de toda forma
Inteira de puro amor...
Aromatizando o meu espirito

Lucia Barros.







quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Os nossos passos.


Os nossos passos.

18/01/2018.

PH: Maria Lucia de Barros Gomes.


É preciso viver a luminosidade
Pois o breu na vida...
Escurece, uma alma solitária.
Bom é, gostar de gente e luz
Porque ela que nos conduz
Seja noite, seja dia...
Até os astros, maiores, clareiam
Os nossos passos.

Lucia Barros.

Direitos reservados.
Exceto a imagem do Google.







domingo, 7 de janeiro de 2018

Vida de amar.



Vida de amar.

PH: Maria Lucia de Barros Gomes.

Assim, foi o amanhecer, brilhante...
Lá distante, avistei e observei o céu azul
Enfeitado de nuvens brancas, cintiladas
com o brilhar do sol radiante...
Iluminando o dia.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Ora, ora, quem somos nós?



Ora, ora, quem somos nós?

PH: Maria Lucia de Barros Gomes.
Janeiro 2018.

Quem somos nós diante os nossos objetivos, entre perdas e ganhos, Nhá?
Somos os frágeis diante as perdas, diante as enfermidades, diante as lutas que atravessam os nossos caminhos, aqueles impedimentos que chegam sem avisar fazendo a terrível surpresa inesperada.
Podíamos estar preparados, mas não estamos, sabe por quê?
As distrações nos tomam de um tanto nos cegando de ver o que está por vir, porque a alegria é tão grande e porque os sonhos são tão lindos e os realizamos, que bom não é, graças a Deus por isto, gratidão é maravilhosa para quem sabe distribui-la com amor, o ser grato, é isto lindo.
Mas assim como a gratidão ser lindo é também compartilhar a vida, o carinho, o afeto, a garantia da paz interior para o exterior de cada ser, não nos custa ser amáveis e estender as mãos quando alguém precisa de nós, abraçar a alma amiga e enxugar as lágrimas sentidas do próximo.
Sabe a vida ensina, a vida projeta, a vida brilha, mas a horas que a vida engana, e precisamos estar preparados e vigilantes, quanto a tantas outras coisas que não seja somente obter o prazer de bens ou diversões simplesmente mesmo que nos faça tão bem, não que devemos desistir de ser felizes, mas colocar a felicidade em dividir com o próximo amor.
O mundo está sempre precisado de amor de paz de carinho e de novos projetos e conquistas, novas atitudes, novas palavras e acima de tudo respeito.
Ora o que somos nós?
Quando estamos todos à procura de uma cura para conosco mesmo ou com nossos queridos familiares, somos os fragilizados indefesos, sem reações quando algo parece não se resolver, porque as vezes o dinheiro não paga a saúde e nem a vida, e aí descemos por um bom tempo em nossos pensamentos aflitos que parecem não ter mais fim.
Aprender abraçar almas é maravilhoso quando o coração se enche de harmonia, maravilha e fé de poder alcançar o nosso bem e o bem do próximo que acolhemos, conquistamos tudo pela graça de poder olhar e perceber quanto bem fazemos a nós primeiramente, saber doar-se, sem pensar em nada receber porque livremente as bênçãos sempre nos são multiplicadas quando agimos de boa-fé.
Nem todo mundo é bom, nem todo mundo é mal, mas saber ir onde podemos nos confraternizar é divino e honroso para nós mesmos.
pois o dia de amanhã quem o saberá?
Só o tempo nos dirá, conservar amizades, conservar entes amados é sempre saber saborear o dia que virá... ao lado de quem pode nos fazer felizes e até garantir vida quando o amor é recíproco, porque nós podemos nos abraçar e nos levantar um ao outro quando a fraqueza nos tomar o corpo e a fragilizada alma.
O rico, o pobre o milionário, são todos iguais em seu envoltório que lhes cobrem o espirito que lhes foi concedido, bem dizendo: nós os humanos, nós que quando falta água somos precisados de banho porque suamos o corpo, que fica fétido a ponto de não nos suportarmos a nós mesmos, nossos hálitos, nossas sujeiras que é como a lama do nosso próprio corpo e que nos tornam os intocáveis, ao próximo que deseja neste momento a distância. Parabéns anjos cuidadores dos enfermos e dos miseráveis que desejam cuidados. AH! Nhá, a mais bela alma cuidadora e protetora, são estes anjos.
A se isto acontecesse por dias ou meses o que seria de nós?
Porque tudo se pode acontecer, não sabendo, aonde vamos parar, o que vamos fazer e muito bom é ser a pessoa cheia das garantias nas suas propriedades nas suas atitudes, mas já que de garantias se abastece um ser, abastecer a alguém que precisa ainda mais do que o garantido é ainda melhor.
Soa, aos cantos da terra os gemidos dos fragilizados e desprotegidos nas suas faltas de tudo, nas suas faltas até de força para viver, soa os gemidos das crianças que precisam de guarida nas ruas, sem teto sem pai e sem mãe, soa os gritos das almas viciadas que por algum motivo que os fizeram chegarem ao caminho mais difícil e desprezível, diante os olhos da sociedade, tornando-os rebeldes e temerosos para quem os veem, e ao invés de ajudar, pioram a situação com seus maus tratos, descriminações e jugos desnecessários.
A perfeição ainda não chegou para ninguém e quem sabe na hora e tempo ditado, o chegará, embora uns se regenerarão outros não, só depende de quem recebe e colhe e faz vibrar a sua escolha em seu livre arbítrio.
Cantemos aos idosos, cantemos e aconselhamos a quem queremos o bem, somente de olhar, por sermos vida e por sermos nós, como um dia todos o serão pela generosidade das gerações vindouras.
É, aplausos, para as pessoas que se tomam de um dom de graça para ser cuidadores com amor, desejando de todo o coração, a reabilitação de quem precisa mudar para ganhar a vida na sociedade novamente, seja o que for que a pessoa tenha passado, ou distribuído ao decorrer de sua vivência. O futuro dos humanos pertence a todos nós, pois somos todos o sangue que nos cobre as veias da mesma forma, quando um dia as veias, esfriarão e o corpo se findará, mas os espíritos se encontrarão nos seus próprios caminhos e de sorte que sejamos, aí, os regenerados e abraçados pela grandeza maior que ditará, o juízo final do qual ninguém escapará.
Vamos nos ajudar, a vencer para olharmos um para o outro e dizer:
Somos todos vencedores!
Ora, ora, quem somos nós?
Lucia Barros.
poetaluciabarros@gmail.com