terça-feira, 12 de agosto de 2014

Aparências, apenas aparências:



Aparências, apenas aparências:

Olhar as aparências...
Me é somente, formosura
Sei, na alma, muitos carregam a Doçura
Dos seus sentimentos em ternuras

E uns e outros pela carência
Sozinhos suportam, dor
Estendem as mãos...
A outro ser humano...
Com muito calor.

Pensam, vigiam a natureza
Que na beleza, enfeitam a sua vida
Dando-lhes a leveza.

E na fineza do corpo
Da alma preenchida...
Da paixão da vida...
Alimentam-se de harmonia
Com muito fervor.

Olhos que olham somente por fora
O feio ou o belo...
Sinto, as vezes se enganam.

O corpo que se veste
Interior e exterior...
Completo as vezes se aplaina.
Na alma pura.
Aparência é mesmo suave
Que até encanta.

Aparências, apenas aparências
Mesmo que hajam encantos e desencantos
Muitos carregam em "si", boas coisas
E distribuem, muito amor.

Diretos autorais reservados a:


Poeta Lucia Barros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário